Mitos e fatos sobre a ovulação

Não, a ovulação nem sempre acontece no dia 14 do ciclo menstrual!

 

Aqui no blog nós já vimos alguns mitos e fatos sobre a menstruação. Hoje vamos ver alguns mitos e fatos sobre a ovulação!

 

Mito 1: A ovulação acontece no dia 14 do ciclo menstrual

 

 


Fato: A ovulação pode acontecer no dia 14 do ciclo. Mas também pode acontecer em outros dias do ciclo! Ovulação não tem data marcada!


 

Mulheres não são robôs, todas iguaizinhas, todas sempre tendo ciclos menstruais com duração de 28 dias, todas ovulando no dia 14 do ciclo! Um ciclo de 28 dias com ovulação no dia 14 pode até ser comum, mas isso não significa que será sempre assim pra todas as mulheres!

Assim como existe variação na duração do ciclo menstrual, existe variação na data da ovulação. Essa variação acontece tanto de mulher pra mulher, quanto de ciclo pra ciclo em uma mesma mulher!

 

Mito 2: A ovulação acontece na data indicada pelo aplicativo

 

“Tá, não importa se a ovulação não acontece sempre no dia 14 do ciclo! Hoje em dia tem vários aplicativos pro ciclo menstrual que até calculam a data da ovulação pra você, posso usar algum deles pra descobrir quando é a minha ovulação, certo?”

Errado.

 


Fato: A ovulação pode coincidir com a data indicada pelo aplicativo. Ou não!


 

Como já vimos aqui no blog, o problema é que a grande maioria dos apps pro ciclo menstrual nada mais é do que uma versão digital da famosa tabelinha

Basicamente, a tabelinha é um cálculo que usa os dados de ciclos menstruais do passado pra tentar predizer os ciclos menstruais do futuro.

Se acontecer alguma variação — e como estamos falando do corpo humano, variações podem e costumam acontecer —, o cálculo da tabelinha pode estar errado, ou seja, pode não coincidir com a data real da ovulação. E é por isso que a tabelinha é considerada um contraceptivo pouco confiável, com uma chance razoável de falhar.

 

Mito 3: Teste de ovulação (teste de LH) confirma a ovulação

 

“Tá, se a ovulação não tem data marcada, e o aplicativo pode não acertar a data, então vou usar um daqueles testes de ovulação, e aí vou poder confirmar a ovulação, certo?”

Errado de novo!

O teste de ovulação é um teste que funciona de forma parecida, mas não idêntica, ao teste de gravidez de urina. Os dois testes consistem em tiras de papel que são mergulhadas na urina, pra detectar alguns hormônios específicos.

Acontece que, no caso do teste de gravidez, o hormônio testado é a gonadotrofina coriônica (hcg), um hormônio que só começa a ser produzido depois da nidação — o momento em que o embrião se fixa no útero, dando início à gravidez. Portanto, quando um teste de gravidez de urina dá positivo, significa que a gravidez está confirmada.

Já no caso do teste de ovulação, o hormônio testado é o hormônio luteinizante (LH), um hormônio que aumenta drasticamente antes da ovulação. Esse aumento na concentração de LH serve como um empurrãozinho, um estímulo pra ovulação finalmente acontecer, e o teste é feito pra detectar esse aumento. Portanto, quando um teste de ovulação dá positivo, não significa que a ovulação está confirmada, simplesmente porque ela ainda não aconteceu! 

 


Fato: Um teste de ovulação positivo não confirma a ovulação, apenas indica que ela pode ocorrer nas próximas horas.


 

Pode conferir na bula que acompanha os testes. A estimativa é que, a partir do momento em que foi detectado o aumento na concentração de LH, a ovulação provavelmente vai acontecer nas próximas 24 a 36 horas.

Ainda assim, há casos em que o LH está presente no corpo em alta concentração, mas a ovulação não necessariamente está próxima. Isso pode acontecer, por exemplo, em mulheres na perimenopausa ou que tenham a síndrome de ovários policísticos.

De qualquer forma, o teste de ovulação não dá a antecedência necessária pra quem quer evitar uma gravidez. Considerando que os espermatozoides podem sobreviver por vários dias dentro do sistema sexual e reprodutor feminino quando as condições estão adequadas — e perto da ovulação, as condições de fato estão adequadas! —, apenas 24 horas de antecedência é muito pouco. Portanto, o teste ovulação não pode ser usado como contraceptivo!

 

Mito 4: A ovulação acontece no dia em que se percebe “corrimento” com aspecto de clara de ovo

 

Opa! Esse mito até chega perto do fato!

Esse “corrimento” na verdade é um sinal de fertilidade, o fluido cervical!

Os sinais de fertilidade são sintomas que refletem do lado de fora as mudanças que acontecem dentro do corpo durante o ciclo menstrual.

O fluido cervical é um fluido natural e saudável produzido pelo colo do útero (ao contrário do corrimento não-saudável que pode indicar irritação e doenças), que permite a passagem dos espermatozoides e aumenta a sobrevivência deles dentro do sistema sexual e reprodutor feminino. Esse fluido é produzido pelo colo do útero e escorre pela vagina até chegar à vulva. O fluido cervical muda em quantidade, cor e textura (aqui tem fotos!) quanto mais próximo da ovulação, numa sequência mais ou menos assim:

  • com um aspecto firme e grudento, seco, e cor mais opaca, bege;
  • com um aspecto cremoso, mais úmido, e cor menos opaca, mais esbranquiçada;
  • com um aspecto de clara de ovo, muito úmido, cor transparente ou muito levemente esbranquiçado, lubrificante, elástico, OU com aspecto aguado, também muito úmido, transparente e lubrificante, mas não elástico.

 


Fato: Quando o fluido cervical está com aspecto de clara de ovo ou aspecto aguado, isso é um indicativo de que a ovulação está próxima, mas não necessariamente de que ela está acontecendo ou já aconteceu.


 

Pra realmente confirmar a ovulação, usando o método sintotermal, é preciso combinar dois sinais de fertilidade: o fluido cervical e a temperatura basal. O que nos leva ao último mito deste post…

 

Mito 5: A ovulação pode ser prevista com a temperatura basal

 

A temperatura basal também é um sinal de fertilidade. É a temperatura do corpo em estado de repouso, medida com um termômetro adequado logo após acordar e antes de se levantar. A temperatura basal reflete o metabolismo do corpo, que é afetado pela ovulação. Então, a mudança no padrão da temperatura basal indica que a ovulação já aconteceu naquele ciclo.

O padrão da temperatura basal é semelhante a uma escadinha de dois andares: no andar de baixo, desde o início do ciclo menstrual até antes da ovulação, as temperaturas são mais baixas; no andar de cima, depois da ovulação e até a menstruação, as temperaturas são mais altas.

 


Fato: A temperatura basal só muda — aumenta — depois da ovulação; portanto, serve pra confirmar, mas não pra prever a ovulação.


 

“Mas eu ouvi dizer que a temperatura basal abaixa no próprio dia da ovulação!”

Uma queda brusca na temperatura basal até pode acontecer no dia da ovulação, mas nem sempre! Pode acontecer, ou pode não acontecer. Então, o mais confiável é aguardar o aumento da temperatura basal pra confirmar a ovulação.

 

Entendendo a ovulação de uma vez por todas!

Pra você que quer entender a ovulação de uma vez por todas, este post termina com um convite pra ler a série Lá embaixo, que explica o sistema sexual e reprodutor feminino, e a série Percepção da Fertilidade, que explica a percepção da fertilidade, o ciclo menstrual, e o método sintotermal — que serve pra quem quer engravidar, evitar engravidar, e/ou monitorar a saúde! =)